top of page
  • Foto do escritorAo Redor - Cultura e Arte

Lygia Pape: vanguarda feminina brasileira

Atualizado: 27 de ago. de 2023


A Luta pela Visibilidade


Historicamente, as mulheres enfrentaram enormes desafios ao tentar fazer uma carreira artística. As sociedades patriarcais muitas vezes subestimavam o talento feminino e relegavam as mulheres a papéis domésticos, limitando suas oportunidades de educação e acesso aos recursos necessários para se dedicar à arte. Além disso, ao longo dos séculos, as artistas mulheres frequentemente trabalhavam sob pseudônimos masculinos, como uma forma de driblar o preconceito. Muitas artistas talentosas, cujas obras poderiam ter enriquecido o cenário artístico, acabaram esquecidas ou subestimadas por causa das normas sociais que limitavam sua expressão.


Com o tempo, movimentos sociais e os avanços das pautas feministas começaram a desafiar as normas tradicionais, permitindo que mais mulheres entrassem no cenário artístico. Apesar de todos os desafios, algumas mulheres conseguiram romper as barreiras e alcançar reconhecimento em suas épocas, abrindo caminho para as gerações seguintes. No século XX, cada vez mais artistas mulheres emergiram e receberam o reconhecimento merecido, reafirmando que o talento não tem gênero.


Nos cenários fervilhantes dos anos 60 nos Estados Unidos e na Europa, o movimento feminista emergiu como uma força catalisadora de mudança. Enquanto a sociedade passava por uma revolução cultural, as mulheres se uniram para desafiar as normas opressivas, exigir igualdade de gênero e buscar direitos há muito tempo negados. Esse foi um período de profundo despertar da consciência feminina e de uma mobilização sem precedentes para redefinir os papéis e possibilidades das mulheres.


O ativismo feminino ganhou vida por meio de manifestações, protestos e debates acalorados. A publicação de "The Feminine Mystique" de Betty Friedan em 1963 desencadeou uma discussão pública sobre a insatisfação das mulheres com os estereótipos tradicionais e suas aspirações além dos limites impostos. As mulheres proclamaram que "o pessoal é político", lançando luz sobre como questões pessoais, como sexualidade, maternidade e trabalho doméstico, eram intrinsecamente políticas e mereciam uma análise profunda.


As artes também desempenharam um papel crucial nessa era de transformação. Artistas utilizaram diversas linguagens, desde a pintura, a literatura e até a performance, para questionar as construções de gênero e expor as injustiças. Através de suas criações, elas desafiaram as narrativas dominantes, exploraram novas representações da feminilidade e criaram um espaço para a expressão autêntica.


A trajetória de Lygia Pape é um reflexo da efervescência cultural e artística que o Brasil viveu em meados do século XX.

Lygia Pape: a arte experienciada



Entre as artistas mulheres notáveis do século XX, destaca-se a brasileira Lygia Pape. Ela foi uma figura essencial no movimento artístico conhecido como Neoconcretismo no Brasil, que buscava romper com as estruturas rígidas do Concretismo e enfatizar a participação ativa do espectador na arte. Lygia Pape explorou diversas mídias em suas criações, incluindo pintura, escultura e performance.


Suas obras frequentemente traziam um caráter lúdico e interativo, convidando o público a se envolver e participar da experiência artística. Através de seu trabalho, Lygia Pape defendeu a importância da liberdade e da expressão individual, abrindo caminho para uma nova abordagem na arte brasileira.


Nascida em 1927 no Rio de Janeiro, Lygia iniciou sua carreira artística na década de 1950, quando o Brasil, e especialmente o Rio de Janeiro, fervilhava com novas ideias e movimentos culturais. A influência do modernismo europeu era forte, mas artistas como Pape buscavam uma identidade própria, que dialogasse com a realidade e sensibilidade brasileiras.


O Neoconcretismo


Divergindo do Concretismo, que enfatizava a racionalidade e a objetividade, o Neoconcretismo propôs uma abordagem mais orgânica e relacional da arte. Lygia Pape e seus contemporâneos, como Hélio Oiticica e Lygia Clark, defendiam que a arte não deveria ser apenas observada, mas também experienciada. Em suas obras, o público era muitas vezes convidado a interagir, tocando, movendo-se através ou até mesmo usando peças de arte.


Lygia Pape foi uma artista multidisciplinar, experimentando com pintura, escultura, filme, teatro e instalação e enfatizando a experiência emocional e sensorial da arte. Um de seus trabalhos mais conhecidos, "Ttéia", consiste em uma instalação de fios de ouro e prata que criam um efeito tridimensional, envolvendo o espectador em uma experiência quase etérea.



Pape também foi influente na integração de outras formas de arte, como o cinema e o teatro, em seu trabalho. Seu filme "Divisor", por exemplo, mostra uma multidão de pessoas andando pelas ruas do Rio cobertas por um grande pano branco, representando a coletividade e a conexão entre os indivíduos.


Lygia Pape foi uma artista inovadora, uma visionária que empurrou as fronteiras do que era considerado arte. Ela entendeu a arte como uma forma de comunicação, um diálogo entre o artista e o público e entre o indivíduo e a coletividade. Hoje, sua influência pode ser vista em muitos artistas contemporâneos, e seu legado continua a enriquecer o panorama artístico brasileiro e mundial.


Acompanhe nossos podcasts no Spotify.

Inscreva-se em nosso blog para receber outras publicações sobre arte e cultura.


Comentarios


bottom of page