• Ao Redor - Cultura e Arte

Acordo de noite subitamente, de Alberto Caeiro

Na publicação de hoje, um poema de Alberto Caeiro escrito em maio de 1914. Alberto Caeiro era considerado, pelo próprio Fernando Pessoa, como o maior de seus heterônimos.

Acordo de noite subitamente

Alberto Caeiro


Acordo de noite subitamente,

E o meu relógio ocupa a noite toda.

Não sinto a Natureza lá fora.

O meu quarto é uma cousa escura com paredes vagamente brancas.

Lá fora há um sossego como se nada existisse.

Só o relógio prossegue o seu ruído.

E esta pequena cousa de engrenagens que está em cima da minha mesa

Abafa toda a existência da terra e do céu...

Quase que me perco a pensar o que isto significa,

Mas estaco, e sinto-me sorrir na noite com os cantos da boca,

Porque a única cousa que o meu relógio simboliza ou significa

Enchendo com a sua pequenez a noite enorme

É a curiosa sensação de encher a noite enorme

Com a sua pequenez...