• Ao Redor - Cultura e Arte

Projeto Intervenção Urbana e Democratização da Arte expõe esculturas de Duda Oliveira


Formas geométricas e cores vibrantes ocupam as calçadas do Centro do Rio.
A artista Duda Oliveira e sua escultura "Panóptico"

O projeto "Intervenção Urbana e Democratização da Arte", da artista plástica niteroiense, Duda Oliveira, atravessa a Baía de Guanabara e desembarca no corredor cultural do Centro do Rio de Janeiro, na Bienal Europeia e Latino Americana de Arte Contemporânea, apresentando três esculturas em metal naval - 'Catavento', 'Panóptico' e 'Gigante' - com formas geométricas distintas e cores vibrantes, convidando o observador a interagir com elas, nas calçadas do Centro Cultural Correios RJ.

“Estou trazendo a arte para a rua porque nela encontramos pessoas despidas de convenções sociais, num mundo obcecado por valores materiais. A arte sendo usada para encantar, que não se quer vender, nem comprar. A rua e o pedestre passam a ser o observatório do artista”, diz Duda Oliveira.

Inspirada nos Parangolés de Hélio Oiticica, Duda Oliveira busca levar arte aos espaços públicos e a todas as pessoas que não se permitem entrar em espaços culturais, pois são locais que carregam estigmas de pertencerem apenas a uma elite sócio-econômico-cultural específica da sociedade. “Somente a arte tem o poder de propagar o acesso ao real e grande poder de transformação. A rua nos torna iguais, permitindo a verdadeira ordem democrática das coisas, a compreensão verdadeira e espontânea do belo", diz a artista plástica.

Método artístico e a arte ambiental

A organização de ideias da artista, inspirada nos Parangolés de Hélio Oiticica, que fundou a “antiarte ambiental” juntamente com a formulação das “ordens de manifestações”, transformou os materiais contidos no seu espaço de vivência e de experiência diários em outra ordem de coisas, com experimentações de mutação do corpo vivo e transmutação da arte em vida autônoma. Nas esculturas, a artista reinventa o metal naval, cimento, vergalhões e a madeira inutilizada, em boa parte das obras. Partindo destes experimentos, Duda convida o público a refletir sobre a potência existencial de vida, transformação e esperança no caos.

Sobre a artista


Artista plástica contemporânea, niteroiense, Duda Oliveira estudou arte experimental na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, e História da Arte e da Arquitetura do Brasil, na PUC RJ. Desde 2018, vem participando de diversas exposições, com destaque para as Feiras Internacionais da Alemanha, Luxemburgo, em Salas Culturais em Portugal, nos Museus MASP, MAC Niterói e outros importantes espaços culturais do Brasil e do exterior. Há 20 anos ingressou na militância do Direito Ambiental, especializando-se em Sociologia Política, para empreender de forma participativa. Com a luta e o árduo trabalho na carreira de advogada, veio a necessidade de uma terapia alternativa. Foi assim que a arte entrou em sua vida.


A exposição acontece até o fim de dezembro de 2021.